Inspiração em pequena escala

O futuro chegou e trouxe com ele o boom dos Microapaartamentos. O que por décadas foi considerado moradia de pequeno espaço e sinônimo de uma classe com menor poder aquisitivo, hoje é visto pelo mercado como tendência. Afinal, morar em espaços de até 10 metros quadrados nos parecia impossível em um passado recente.

Tudo isso, pode ser explicado através da crescente populacional e a demanda por facilitar a vida na correria das cidades nos grandes centros, que trouxe à tona a urgência de economia de tempo de deslocamento e de investimento em estrutura e manutenção. Aproveitar a vida fora das unidades também é ponto forte, já que as metrópoles possuem uma vasta variedade de vida ao ar livre, lazer e atividades culturais.

Segundo Gabriel Ceravolo, sócio do escritório Conrado Ceravolo Arquitetura, o perfil de compradores destes novos empreendimentos são investidores, que buscam imóveis para uma decoração mais clean e em locais estratégicos, próximos a metrô, hospitais e faculdades. Executivos que visitam constantemente uma cidade também optam por este tipo de característica, pois a longo prazo, pode ser um investimento. Jovens casais, casais sem filhos e pessoas que estão comprando sua primeira casa também completam este perfil.

apartamento Gabbel

Em diferentes metragens, os microapartamentos variam entre 20, 25, 30 e 40 metros quadrados. Uma matéria do Jornal O Estado de S. Paulo de 07/07/2022 diz que o menor empreendimento da América Latina tem 10 metros quadrados está localizado no Edífico VN Nova Higienópolis, centro da cidade de São Paulo.

Outro ponto interessante desta nova vida compacta são os serviços disponíveis na estrutura, já que este tipo de comprador não tem como prioridade o lazer para a família. O que conta são os espaços comunitários como lavanderia compartilhada, espaço de Coworking, academia e outras facilidades que complementam o espaço que não está contemplado nas unidades.

Entre os desafios desta modalidade do morar está a decoração do espaço, que prioriza soluções inteligentes e materiais que facilitam a manutenção, sem perder a beleza estética e o conforto. “Os maiores desafios são as marcenarias bem aproveitadas para uma valorização espacial e conseguir guardar todos os itens necessários do dia a dia. Móveis flexíveis e multifuncionais com medidas exatas”, fala Ceravolo.

apartamento Gabbel

Complementos como pisos, revestimentos para áreas frias como banheiros e cozinha, devem prevalecer com tons mais sóbrios com nuances e texturas mais discretas. Aproveitando cores sólidas e com mais personalidade em painéis e planejados. Entre os padrões disponíveis na Impress Decor, temos os padrões de madeiras em tons mais claros ou metalizados.

FAIRBANK OAK
OIZ

Para a arquiteta e paisagista Monica Costa, se não houver varanda na unidade é possível utilizar até pequenas árvores como a Ficus Lyrata e a Ficus Elástica em vasos maiores, mas cuidando para que elas sempre tenham contato com o sol. Existem algumas plantas que não tem erro e precisam de pouco cuidado:  como a Jibóia, Philodrendo e Samambaia que podem são pendentes e são usadas em paredes e Teto, a  Zamioculca em banheiros e as Palmeiras Licualas e Chamaedória, que sobrevivem perfeitamente na sombra ou com pouca luz solar. Tomando cuidando para a rega, pois geralmente plantas internas acabam morrendo por serem regadas em excesso.

ARTIGOS RELACIONADOS

O exótico das pedras naturais na decoração e no design

Por muito tempo se pensou na uniformidade dos materiais,...

Surrealismo e design: o que o inconsciente nos oferece no campo da criatividade

O design surrealista, oriundo do movimento que nasceu nas...

Tons monocromáticos no design de interiores

Para o olho humano não existe espaço em suas...

Conforto acima de tudo é a premissa para a casa de hoje

Cada vez mais percebemos como a casa tem se...

A ancestralidade como potência da criatividade

Recuperar a história de antigas civilizações e de nossos...