Home Staging: investimentos práticos e inteligentes para vender um imóvel com mais valor agregado

Diz a expressão popular que: “A primeira impressão é a que fica”. Sendo assim, por que não tornar essa primeira impressão, algo marcante? Isso vale para várias coisas na vida e, inclusive, para vender um imóvel. Os Estados Unidos foi o primeiro país, ainda nos anos de 1970, a considerar a possibilidade de investir na aparência, antes de vender uma casa ou apartamento, no intuito de fechar o negócio mais rápido e por um valor maior do que valeria inicialmente.

A percepção de que certas melhorias em um imóvel resultavam em negócios mais lucrativos, abriu as portas de um novo mercado, chamado ‘Home Staging’, traduzido ao pé da letra como “Encenação da Casa”, pois trata-se de uma técnica profissional de reformas rápidas e impactantes, com foco no marketing, que começa na preparação do imóvel para a venda e vai até o anúncio dele em plataformas digitais e imobiliárias.

Projeto Susana Damy

No Brasil, o Home Staging ganhou reconhecimento por força do cenário econômico do país, em 2017, quando as reduções do teto de financiamento de imóveis pelo banco público, colocaram vendedores e corretoras de imóveis para repensarem suas estratégias de vendas. Uma das saídas para destravar os negócios, diante das condições ruins do mercado, foi contratar home stagers, que além de conhecimentos estéticos, possuem traquejos do mercado imobiliário e do marketing. Contudo, o mercado nacional ainda precisa amadurecer em relação à profissão. “Percebo que muitos proprietários e profissionais do mercado imobiliário não entendem a importância do investimento em home staging até passarem pela experiência. É necessário mostrar a eles como o serviço pode fazer a diferença em um mercado competitivo”, revela a designer e home stager Susana Damy.

E se é preciso mostrar resultados, nada melhor do que uma pesquisa. De acordo com o NARS ‘National Association of Realtors’ (Associação Nacional de Corretores de Imóveis), 83% dos compradores afirmaram que é mais fácil visualizar o imóvel como sua futura casa, quando ele passa por um projeto de home staging. Em outro estudo, feito pela ‘Home Staging Resource’ (Recurso de Home Staging), os resultados revelam que os imóveis que passaram pelo home staging foram vendidos, em média, 73% mais rápido, em comparação com os que não passaram pelo processo.

Lá fora, o home staging é tão popular, que virou tema de série de TV. Em Irmãos à obra (Property Brothers), os famosos irmãos Scott – um empreiteiro e um corretor de imóveis – demonstram aos moradores a importância de investir em reformas certeiras para vender um imóvel em pouco tempo e conseguir o valor suficiente para comprar outro, além de recuperar o valor investido. Assim como na série, na vida real, o conhecimento imobiliário do home stager é muito importante para precificar o imóvel, dentro da realidade da cidade e do bairro onde ele está localizado, além de criar um anúncio atrativo, ressaltando aspectos valorizados pelo mercado, como a localização, a proximidade com escolas, parques, comércios, além de acesso fácil ao transporte público e ao centro da cidade.

 Investindo para lucrar
Diferente da decoração, em que a personalidade do morador norteia o projeto, no home staging, o foco é renovar o imóvel para causar uma boa impressão aos compradores em potencial, de modo que eles se vejam morando no imóvel e tenham a sensação de que não precisarão mexer em nada, o que significa não gastar mais. Pensando nisso, a home stager Susana Damy listou as melhorias que considera mais importantes:

  • Pintura;
  • Reparo ou troca de pisos e revestimentos antigos ou desgastados;
  • Modernização da cozinha e dos banheiros;
  • Troca de bancadas;
  • Renovação de portas, fechaduras e janelas.

Valorizar, sem personalizar
Na parte estética e funcional, a profissional recomenda a troca, adição ou subtração de mobiliário, priorizando sempre a circulação. A iluminação é muito valorizada por quem busca um imóvel, portanto, o ideal é que as janelas e cortinas fiquem abertas e as luminárias posicionadas em pontos estratégicos da casa. Contudo, se a vista não for agradável, o melhor é manter as janelas fechadas e investir em cortinas ou persianas bonitas.

Projeto Susana Damy

Para elementos como pisos, por exemplo,  os laminados são perfeitos com seus modelos “Click”, de fácil e rápida instalação, que mudam completamente o ambiente. Neste caso, o importante é trazer padrões que tenham cores mais discretas ou amadeirados como referência de maior mudança nos ambientes. A Impress Decor, especialista no desenvolvimento e produção de superfícies decorativas para a indústria, elenca alguns padrões que dão uma breve direção para uma escolha certeira entre suas centenas de padrões.

Padrão Impress Alicasia
Padrão Impress Sofuto

Objetos decorativos, arte e paisagismo também são bem-vindos, afinal, despersonalização não significa deixar o ambiente vazio e sem vida, mas sim, promover uma conexão emocional entre imóvel e comprador em potencial. “Sempre digo que Home Staging é despersonalizar, personalizando, pois acredito que, com equilíbrio, é possível usar obras de arte, plantas, tapetes e objetos decorativos neutros para adicionar um pouco de vida e conforto ao ambiente”, diz Susana. Para a profissional, cores e texturas fazem parte da magia do negócio e não podem ser descartadas. “Se bem escolhidas, elas ajudam a destacar o imóvel e aumentam suas chances de venda ou locação em um mercado competitivo. O importante é compreender o público-alvo e criar um ambiente que agrade à maioria das pessoas”, completa.

Projeto Susana Damy

De acordo com Susana, estas melhorarias, bem como a limpeza e organização, agregam valor ao imóvel e deixam a visualização mais clara, permitindo que o comprador enxergue suas melhores qualidades. Apesar do investimento elevar o valor final da propriedade, possibilitando sua recuperação após a venda, se for necessário optar por apenas alguns reparos, o ideal é investir nos que geram maior impacto visual, como a renovação de pisos e bancadas.

Projeto Susana Damy

Explorando os sentidos
A experiência sensorial também faz parte do home staging. Aquela história de colocar um bolinho para assar, minutos antes da visita dos interessados no imóvel, pode contribuir para que eles se sintam, literalmente, em casa. “É importante envolver todos os sentidos para proporcionar uma experiência completa e agradável aos compradores em potencial”, diz Susana. A visão, a audição e o olfato são despertados espontaneamente, no entanto, experiências táteis também são importantes e devem ser estimuladas durante a visita. “É importante que os visitantes toquem e sintam diferentes texturas, por isso, selecionamos cuidadosamente tecidos e materiais que convidam ao toque”, explica Susana. Quem seria capaz de resistir a uma balançada na rede? Este é só um exemplo, mas Susana afirma que os móveis devem ser posicionados estrategicamente, conduzindo à interação. “Eles podem tornar a experiência mais atraente e criar boas memórias, fazendo com que os compradores em potencial não se esqueçam daquele imóvel, mesmo depois de visitarem tantos outros.

O anúncio
Se antes uma imagem já falava mais do que mil palavras, depois da digitalização do mercado, elas passaram a falar muito mais, deixando os compradores mais exigentes. Como os anúncios são feitos em plataformas digitais, fotos de qualidade dos ambientes limpos e organizados, depois das melhorias realizadas são essenciais para atrair compradores. “Os vídeos também têm se tornado uma ferramenta cada vez mais importante nesse processo. Quando bem produzidos, ajudam as pessoas a se conectarem ao espaço e transmitem uma sensação mais realista do imóvel”, diz Susana.

O open house é outra oportunidade para os potenciais compradores ou inquilinos visitarem o imóvel e terem uma experiência real de como seria morar ali. “É importante que essa visitação seja bem organizada, com horários definidos e uma boa divulgação para atrair o maior número possível de interessados”, diz Susana.

 Vale a pena?
Considerando que o investimento em melhorias aumenta significativamente o interesse e o valor do imóvel, reduz o tempo de mercado, os custos com impostos, e ainda pode ser recuperado após a venda, o home staging se mostra uma ferramenta de alto potencial imobiliário, tanto para pessoas comuns como para empresas do setor imobiliário, que podem usufruir das técnicas como um complemento do trabalho do corretor, destacando o imóvel dentro de um mercado competitivo e instável.

Projeto Susana Damy: antes e depois

ARTIGOS RELACIONADOS

Impress Decor traz conceito IMAGINE à ForMóbile 2024

A Impress Decor, especialista no desenvolvimento e produção de superfícies decorativas...

Riken Yamamoto, o arquiteto das conexões humanas, vence o Pritzker 2024

A prestigiada honraria da arquitetura mundial, o Prêmio Pritzker,...

Salão do Móvel 2024: novos pensamentos para o futuro do morar

Milão, a cidade que se posiciona como o epicentro...